Candidato não pode ser excluído de concurso por ser réu em ação penal

Consolidando entendimento, já pacificado no Supremo Tribunal Federal, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou Mandado de Segurança que permitiu a uma candidata ao cargo de agente penitenciária prosseguir no concurso.

A autora foi excluída do certame na fase de investigação social e funcional por ter sido acusada em processo de sonegação fiscal previdenciária - no qual foi absolvida.

O artigo 11 da Lei 13.259/09 (que regula os servidores penitenciários do Estado) e o item 6.5 do Edital 01/17, cujos dispositivos destacam a relevância da idoneidade moral e social do candidato a este cargo, foram os fundamentos do ato administrativo. Por fim, afirmou que a Sindicância da Vida Pregressa é mais ampla do o resultado de absolvição em processo criminal, por isso a incompatibilidade com a atividade vinculada a segurança pública.

Diante dos fundamentos apresentados a 4ª Câmara Cível compreendeu que o Estado incorreu em abusividade no seu "agir administrativo", por não justificar de que forma a simples tramitação de uma acusação penal tornava preenchida a hipótese de inidoneidade moral da candidata; reforçando que a exclusão do certame por pendência em processo criminal, sem sentença condenatória, exige motivação.

Tal motivação, por sua vez, deve revelar especificamente qual a incompatibilidade com o acesso ao cargo público.

Fonte: Conjur

Clique aqui para ler o acórdão
Processo 70078224706

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Carreiras e Concursos Públicos

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?