Candidato não pode ser excluído de concurso por ser réu em ação penal

Consolidando entendimento, já pacificado no Supremo Tribunal Federal, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou Mandado de Segurança que permitiu a uma candidata ao cargo de agente penitenciária prosseguir no concurso.

A autora foi excluída do certame na fase de investigação social e funcional por ter sido acusada em processo de sonegação fiscal previdenciária - no qual foi absolvida.

O artigo 11 da Lei 13.259/09 (que regula os servidores penitenciários do Estado) e o item 6.5 do Edital 01/17, cujos dispositivos destacam a relevância da idoneidade moral e social do candidato a este cargo, foram os fundamentos do ato administrativo. Por fim, afirmou que a Sindicância da Vida Pregressa é mais ampla do o resultado de absolvição em processo criminal, por isso a incompatibilidade com a atividade vinculada a segurança pública.

Diante dos fundamentos apresentados a 4ª Câmara Cível compreendeu que o Estado incorreu em abusividade no seu "agir administrativo", por não justificar de que forma a simples tramitação de uma acusação penal tornava preenchida a hipótese de inidoneidade moral da candidata; reforçando que a exclusão do certame por pendência em processo criminal, sem sentença condenatória, exige motivação.

Tal motivação, por sua vez, deve revelar especificamente qual a incompatibilidade com o acesso ao cargo público.

Fonte: Conjur

Clique aqui para ler o acórdão
Processo 70078224706

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobreCarreiras e Concursos Públicos

Acesse aqui

Dispomos de
correspondentes em todos
os Estados do Brasil, o que
nos permite uma
atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes
próprias estrategicamente
localizadas para atender
demandas em todo o País.
Dessa forma, conseguimos
manter a excelência de nosso
trabalho com dinamismo e
articulação processual.

Para manter nossos clientes sempre em primeiro lugar
e suprir nossas demandas com qualidade precisamos de um

escritório do tamanho do Brasil