Servidor punido por falta grave no exercício do cargo pode perder aposentadoria

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve sentença que entendeu constitucional o ato administrativo que cassou a aposentadoria de um policial civil em razão de condenação em processo administrativo disciplinar (PAD), tendo por fundamento o previsto no artigo 41, parágrafo 1º, inciso II, da Constituição Federal.

O voto afirma que não ofende princípios constitucionais a pena de cassação de aposentadoria, quando o servidor é punido por falta grave no exercício do cargo público, desde que o processo administrativo que tenha respeitado a ampla defesa ao acusado.

O autor se aposentou voluntariamente em 2014, após responder a um PAD que acabou por atestar seu envolvimento em atos que ferem o interesse público; já em março de 2016, o governador do Estado cassou a aposentadoria por compreender que o mesmo estava fora do serviço público.

O ato administrativo levou a pedido de declaração de inconstitucionalidade do inciso VIII, do artigo 83, da Lei estadual 7.366/80, e do inciso V do artigo 187, da Lei Complementar estadual 10.098/9 - dispositivos que embasaram a cassação da sua aposentadoria – bem como que o Estado retornasse ao pagamento dos velores. A magistrada da 5ª Vara da Fazenda Pública, do Foro Central de Porto Alegre, julgou improcedente a ação por não vislumbrar qualquer ilegalidade, inconstitucionalidade ou abusividade nos dispositivos.

Para tanto, citou precedentes do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal de Justiça, pontualmente ementa da Apelação Cível 70063119424, do TJ/RS: ‘‘Não há falar em impossibilidade de cassação da aposentadoria por falta cometida no exercício do cargo, sendo possível que a sanção disciplinar incida mesmo quando o servidor já se encontre inativado. Descabida a alegação de ato jurídico perfeito ou direito adquirido, bem assim de afronta aos princípios constitucionais da proporcionalidade e da isonomia, uma vez que há previsão legal para que haja a cassação da aposentadoria. Art. 195 da Lei Estadual nº 10.098/94’’.

Inconformado o autor recorreu da decisão. O relator da apelação no TJ-RS observou que as contribuições previdenciárias dos servidores no Regime Próprio de Previdência Social têm natureza tributária, e não contratual.

Fonte: Conjur

Clique aqui para ler a sentença.
Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 001/1.16.0135520-4

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Carreiras e Concursos Públicos

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?