Funai é condenada a indenizar índios de SC prejudicados por duplicação da BR-101

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou, na última semana, que a Fundação Nacional do Índio (Funai) deve indenizar em R$ 360 mil a comunidade Guarani da Terra Indígena MBiguaçu, situada às margens da BR-101, no trecho Garuva-Palhoça, litoral de Santa Catarina.

A Funai também deverá, juntamente com o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT), rever os valores indenizatórios referentes ao convênio firmado para a desocupação necessária à duplicação da rodovia.

A área em questão teve a demarcação como terra indígena homologada em maio de 2003. Para que a BR-101 fosse duplicada, foi necessário realocar parte da comunidade, o que foi acertado por meio de um convênio entre a Associação de Moradores Yynn Moroti Wherá, o DNIT, a Fundação Nacional do Índio (Funai), o IBAMA, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a União.

O convênio previa a implantação e execução de um Programa de Apoio às Comunidades Indígenas Guarani (Pacig) e a revisão dos valores de indenização à comunidade após cinco anos da assinatura.

A associação de moradores ajuizou o processo contra o Dnit, a Funai, o IBAMA e a União pedindo indenização por danos morais e materiais após cumprir sua parte sem que houvesse a contrapartida prometida. Segundo os indígenas, a indenização prevista era de R$ 11 milhões e teriam recebido apenas R$ 204 mil. O Programa de Apoio também teria sido realizado parcialmente.

Conforme informações anexadas ao processo, apenas os indígenas do trecho sul teriam recebido a compensação combinada, ganhando terras, moradias, escolas, postos médicos, instalação de água e esgoto. A comunidade residente no trecho norte, entretanto, estaria abandonada.

A Funai argumentou que o Judiciário não pode redefinir orçamentos financeiros já destinados. Já o DNIT sustentou que sua obrigação limitava-se ao repasse de recursos, o que teria sido devidamente efetivado.

A Justiça Federal de Florianópolis deu parcial provimento ao pedido, condenando a Funai a indenizar a comunidade indígena por danos morais no valor de R$ 360 mil e, junto com o DNIT, a revisar o valor das indenizações. A fundação recorreu ao tribunal.

O relator do processo na 4ª Turma, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Junior, manteve a sentença. Conforme o magistrado, "a comunidade indígena sofreu a inconstitucional redução na possibilidade de usufruto de suas terras, por intervenção direta das obras de duplicação da BR-101 em seu espaço demarcado. Tal situação revela que houve afronta à dignidade da comunidade indígena, o que deve ser compensado com indenização pelos danos morais e materiais sofridos".

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobreDireito Ambiental

Acesse aqui

Escritório do Tamanho do Brasil

35 anos de experiência na advocacia atuando em todos os estados do país.

13.000
Clientes

27.122
Casos

R$
116.079.949
Obtidos para nossos clientes