Tarifa imposta pelos EUA à China pode beneficiar venda de carne brasileira

Rio de Janeiro – Os embarques brasileiros de carne suína podem ser beneficiados com a possível elevação da tarifa de importação da China aos Estados Unidos, afirmou em nota nesta sexta-feira o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra.

A afirmação foi feita após o anúncio do Ministério do Comércio chinês sobre a possibilidade de aumento para 25 por cento das tarifas para produtos suínos norte-americanos.

Em 2017, os Estados Unidos exportaram para a China o equivalente a 275 mil toneladas de carne suína in natura, gerando receita de 488 milhões de dólares, disse a ABPA, citando números do Trademap.

No mesmo período, conforme a ABPA, o Brasil embarcou 48,9 mil toneladas para o território chinês, com receita de 100,6 milhões de dólares.

Segundo Turra, os importadores chineses já vinham incrementando suas compras desde janeiro deste ano. No bimestre, a alta acumulada chega a 140 por cento, com 25,5 mil toneladas embarcadas, destacou.

Com o embargo russo, Turra destacou que a China assumiu, em fevereiro, a liderança entre os maiores compradores de carne suína do Brasil, importando 11,959 mil toneladas no mês (o equivalente a 28,4 por cento do total).

“Houve um notável incremento nos negócios com o mercado chinês no primeiro bimestre deste ano. Neste contexto, o Brasil sempre manifestou seu interesse em fortalecer as parcerias pela segurança alimentar na China”, disse Turra na nota.

“Vemos que, a partir deste novo cenário, esta parceria pode ser significativamente ampliada, reduzindo os impactos do embargo russo.”

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobreDireito Aduaneiro

Acesse aqui

Escritório do Tamanho do Brasil

35 anos de experiência na advocacia atuando em todos os estados do país.

13.000
Clientes

27.122
Casos

R$
116.079.949
Obtidos para nossos clientes