Conheça a nova Ação Civil Pública no Plano Collor Rural

Plano Collor Rural

A Ação Civil Pública nº 94.00.08514-1 promovida pelo Ministério Público Federal contra o Banco do Brasil, a União Federal e o Banco Central do Brasil, junto à 3ª Vara Federal do Distrito Federal, tem como escopo a aplicação do BTN (de 41,28%) às operações de crédito rural corrigidas pela caderneta de poupança no mês de março de 1990, em substituição ao aplicado naquela oportunidade, qual seja o IPC (84,32%). Com o sucesso do pedido ficou sedimentado que o produtor rural faz jus ao ressarcimento do equivalente a 43,03% do valor investido na época para aquele mês.

A sentença (ver anexo) julgou procedentes os pedidos, para determinar a aplicação do índice de 41,28% nos contratos celebrados anteriormente a abril de 1990, condenando o BANCO DO BRASIL ao recálculo dos débitos e à devolução das diferenças apuradas.

No acórdão lavrado pelo TRF – 1ª Região em 29/03/2010 (ver anexo), foi dado provimento às apelações interpostas pelo BANCO DO BRASIL e pelo BANCO CENTRAL DO BRASIL – BACEN para julgar improcedentes os pedidos, sob o fundamento de que o IPC (de 84,32%) é o índice de correção monetária aplicável às cadernetas de poupança – e, por extensão, às cédulas rurais –, no mês de março de 1990.

Foram interpostos recursos especiais pela SOCIEDADE RURAL BRASILEIRA e FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DOS ARROZEIROS DO RIO GRANDE DO SUL – FEDERARROZ, bem como pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (Recurso Especial Nº 1.319.232).

No acórdão proferido pela 3ª Turma do STJ no dia 04/12/2014 (ver anexo), restaram providos os recursos especiais para acolher o BTN, no percentual de 41,28%, como índice de correção monetária aplicável em março de 1990 às cédulas de crédito rural, nas quais prevista a indexação à variação da caderneta de poupança. Em consequência, restaram os réus condenados, de forma solidária, ao pagamento das diferenças resultantes entre o IPC (84,32%) e o BTN (41,28%), corrigidas monetariamente a partir do pagamento a maior pelo mutuário, e acrescidas de juros de mora de 0,5% ao mês até a entrada em vigor do Código Civil de 2002 (11/01/2003), após o que se aplica a taxa de 1% ao mês.

Recentemente o Superior Tribunal de Justiça concluiu o julgamento dos Embargos de Divergência opostos pela União e pelo Banco do Brasil na Ação Civil Pública (ver anexo). A União discutia tão somente os juros a serem pagos ao produtor quando o ente público for acionado a devolver o diferencial de correção monetária aplicado nos financiamentos agrícolas em março de 1990. Por outro lado, o Banco do Brasil buscava afastar a condenação em honorários advocatícios em ação civil pública movida pelo Ministério Público, argumentando a vedação constitucional.

Apenas o Banco do Brasil seguiu recorrendo por meio da oposição de embargos declaratórios nos embargos de divergência em recurso especial, mas, sem efeito suspensivo (ver anexo), permitindo o prosseguimento dos cumprimentos de sentença provisórios.

Qual o seu problema jurídico? Converse com a gente

Renato Schenkel da Cruz

Renato Schenkel da Cruz

renato.schenkel@garrastazu.com.br

Sócio e coordenador da Divisão de Direito Consumidor, Cível e Imobiliário.
Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS.
Pós-graduado em Direito Empresarial, com ênfase na Advocacia Empresarial pela PUCRS.

Ver perfil completo

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Cível e do Consumidor

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?