Colisão gera dever de concessionária indenizar motorista que entrou na loja por engano

O juiz de Direito Frederico Ernesto Cardoso Maciel, do Juizado Especial Cível de Planaltina, condenou uma concessionária a pagar danos materiais a um motorista que, após entrar de carro por engano na loja, colidiu na saída com um automóvel que era retirado de um caminhão cegonha.

Aplicando ao caso o CDC, o magistrado concluiu que, por ser empresa fornecedora de serviços, a ré deveria ser enquadrada nos ditames do Código consumerista, respondendo objetivamente.

Prejuízos

Em abril deste ano, o motorista entrou com seu veículo na concessionária com a intenção de colocar película nos vidros do carro. Ao ser informado de que ali não era realizado este tipo de serviço e perceber o equívoco, ele, então, deu marcha à ré e acabou envolvido em acidente com um carro da loja, que era retirado do caminhão cegonha.

Após registrar boletim de ocorrência, o gerente do estabelecimento sugeriu que o motorista acionasse seu seguro para cobrir o prejuízo, mas ele não aceitou e ingressou na Justiça pedindo reparação pelos prejuízos sofridos.

Consumidor por equiparação

"Ressalto que se aplicam ao caso as normas de proteção ao consumidor, haja vista que, de acordo com os fatos narrados na inicial, e por ser a parte requerida fornecedora de produtos e serviços, (concessionária de veículos), conforme contrato social juntados aos autos, a parte autora pode ter sofrido os efeitos desse evento (art. 17, CDC)."

Segundo o julgador, conforme determina o art. 12 c/c art. 14, do CDC, a responsabilidade dos fornecedores dos serviços é objetiva e, desse modo,

"Apesar de alegar que a culpa foi da parte requerente, não trouxe aos autos qualquer prova dessa culpa. Portanto, em causando dano, a parte requerida praticou ato ilícito e deve repará-lo em sua extensão."

Processo: 0004508-80.2015.8.07.0005

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?