Funcionário com hepatite C receberá indenização por dispensa discriminatória

Uma multinacional da área de energia e automação pagará mais de R$ 230 mil de indenização por danos morais a funcionário portador de hepatite C demitido arbitrariamente. O trabalhador afirmou nos autos que sofria perseguição e discriminação em razão de sua condição.

Para a juíza do Trabalho Josiane Grossl, da 3ª vara do Trabalho de Guarulhos/SP, restou confirmada a dispensa discriminatória, tendo em vista que a medicação que o obreiro passou a utilizar para tratamento – a qual mudou aspectos do seu comportamento – foi considerada pela empresa para resilir o contrato de trabalho.

De acordo com a inicial, a empregadora tinha conhecimento da doença do trabalhador desde o sua admissão, em abril de 2011, no cargo de analista de logística. Conforme depoimentos prestados, no início de 2013 o empregado informou que a medicação que passaria a tomar provocaria alterações em seu comportamento, revelando posteriormente que a empresa considerou tal aspecto como fator para a demissão, mesmo sabendo que decorria do tratamento da doença e não do desempenho pessoal do trabalhador.

O empregado então requereu em juízo a declaração de nulidade da demissão, sua reintegração ao emprego, pagamento retroativo das remunerações e danos morais pela dispensa discriminatória.

"Houve dispensa arbitrária e discriminatória, além de obstativa de direitos, na esteira da súmula 396 do C. TST e por aplicação analógica da lei 9.029/95, sendo de se salientar ainda que o Brasil está adstrito a normas internacionais que proíbem tal discriminação [Convenção Interamericana contra todas as formas de Discriminação e Intolerância – 2013; Convenção nº 111 da OIT e Declaração Universal de Direitos Humanos - art. 2º. e 26]", destacou a juíza na sentença.

Em sua decisão, a magistrada ainda determinou a reintegração do trabalhador em função adaptada à doença, sua reinserção imediata como beneficiário do plano de saúde corporativo e pagamento dos salários vencidos desde a dispensa até a efetiva reintegração no emprego.

O escritório Alino & Roberto e Advogados atuou na causa em favor do trabalhador.

Processo: 1000576-40.2014.5.02.0313

Fonte: Migalhas

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?