Vale a pena vender as férias?

Onze meses de trabalho e só 30 dias para descansar. Não é à toa que muita gente espera o ano todo pelas férias. Mas, tem gente que se cansa de tanto descansar e resolve trocar este período por dinheiro.



De acordo com o advogado Marcelo Arcos, responsável pelo núcleo trabalhista do Escritório Garrastazu Advogados, de Porto Alegre, a venda de parte das férias deve ser sempre uma decisão do empregado e nunca do empregador.



"O funcionário deve comunicar a empresa até quinze dias antes da data de aniversário do contrato. Cabe ao empregador definir apenas o período do ano em que as férias serão concedidas e pagar o valor proporcional aos dez dias em que o funcionário vai trabalhar", explica o advogado.



Como exemplo, Marcelo Arcos cita o caso de um trabalhador que ganha R$ 600 por mês. "Ao tirar 30 dias de férias, ele recebe o salário antecipado, mais um terço dos rendimentos. Ao todo: R$ 800. Mas, se vender dez dias das férias recebe outros R$ 200 relativos a dez dias de trabalho: R$ 1 mil ao todo", acrescenta.



O advogado alerta também que vender um terço das férias é o máximo permitido por lei. "Se o ganho financeiro não for necessário, o trabalhador deve levar em conta também a necessidade do descanso", aconselha Arcos.



"A venda só visa remediar questões financeiras do empregado, mas, esse acúmulo ao longo da sua relação de trabalho vai trazer prejuízos à sua saúde e é por isso que a Legislação proíbe essa venda de mais de um terço das férias", conclui o advogado.

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?