Varejistas não precisam encaminhar produtos com defeito à assistência técnica

De quem é a obrigação de encaminhar à assistência técnica produtos com defeito? Loja ou consumidor? É a questão que a Justiça do Paraná está incumbida de dirimir. Ajuizada em agosto do ano passado, uma ação do parquet do Estado contra 25 varejistas discute se subsistem e quais são os limites de responsabilidade solidária de comerciantes no caso de vício do produto.


Em decisão proferida recentemente, o desembargador Renato Lopes de Paiva, do TJ paranaense, manteve decisão da juíza de Direito Vanessa Jamus Marchi, da 9ª vara Cível de Curitiba/PR, que revogou liminar anteriormente concedida por ela própria, liberando as rés da obrigação.


Prejuízos ao mercado


Na ação coletiva, com pedido de antecipação de tutela, o MP/PR solicita que, caso os consumidores reclamem diretamente o vício do produto, os comerciantes sejam compelidos a receber a mercadoria em qualquer sede ou filial, dando a solução adequada para fins de garantia. O juízo de 1º grau deferiu a liminar e fixou multa diária, em caso de descumprimento, no valor de R$ 5 mil.


Após a interposição de agravo de instrumento, entretanto, a magistrada, em sede de juízo de retratação, revogou a decisão anteriormente proferida. Ela avaliou que a manutenção da liminar acarretaria maiores prejuízos ao mercado de consumo e ao próprio consumidor, "considerando que os estabelecimentos comerciais não dispõem de logística que permita a coleta dos produtos em suas sedes para dar a solução adequada às reclamações dos consumidores". O parquet recorreu da decisão.


Dano inverso


Da análise do recurso do MP, o desembargador Renato Lopes de Paiva verificou que, no caso, o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação seria inverso, visto que a medida imporia aos comerciantes a disponibilização de pessoal, logística e serviços.


Segundo o magistrado, o consumidor, atualmente, tem seu direito atendido, ainda que por terceiros indicados pelo próprio comerciante. Neste sentido, ainda presumindo que a medida tenha como objetivo propiciar um maior conforto ao cliente, a contrapartida disso importaria na necessidade da implementação, em curto espaço de tempo, de inúmeras e complexas estruturas, que para produzirem os efeitos esperados acabariam causando prejuízos aos próprios consumidores.




"Não se exclui, como mais uma consequência indesejada, o aumento de custos que sabidamente as leis de mercado farão refletir no preço final da mercadoria."





  • Processo: 0047502-26.2014.8.16.0000


 

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?