Questionada decisão que autorizou transmissão da Voz do Brasil em horário alternativo

A União ajuizou reclamação no STF contra decisão que autorizou emissoras de rádio do Estado de SP a veicularem o programa A Voz do Brasil em horários alternativos. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

A decisão questionada foi proferida pelo TRF da 3ª região, deferindo pedido do Sindicato de Empresas de Rádio e Televisão no Estado de São Paulo – Sertesp. A entidade representativa pedia que fosse declarada a inexistência de relação válida, decorrente da aplicação do art. 38, alínea "e", da lei 4.117/62, que obrigue as emissoras a ele filiadas a transmitirem a Voz do Brasil de segunda à sexta-feira, exceto feriados, às 19h.

Precedentes

Para a reclamante, o acórdão afronta posicionamento do Supremo, firmado no julgamento da ADIn 561. Na ocasião, a Corte entendeu que o horário estabelecido na lei 4.117/62 para a transmissão do programa é incompatível com a norma prevista no art. 220 da CF, que veda restrições à informação.

"Tendo a lei em exame sido recepcionada pela Constituição de 1988, não poderia o TRF-3 entender de modo diferente, sob pena de violação à autoridade do julgado dessa Corte."

A União sustenta ainda que o STF tem diversos precedentes que reafirmam esse entendimento e que o dispositivo em análise (artigo 38, alínea "e", da lei 4.117/62) "não abre margem para a relativização feita pelo acórdão do TRF-3".

Acesso à informação

Também argumenta a reclamante que a modificação do horário de transmissão "fere o objetivo principal do programa, que é permitir aos brasileiros o acesso às informações". Afirma que a Voz do Brasil possibilita que os brasileiros acompanhem as atividades do Poder Executivo, os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional e as decisões relevantes proferidas pelo Poder Judiciário.

Por fim, a União sustenta que o horário das 19h foi escolhido devido à audiência relevante que os veículos de comunicação alcançam nesse período. Assim, pede liminarmente a suspensão dos efeitos da decisão, sob pena de causar danos irreparáveis à população, "pois não será possível, caso reformada a decisão, informar retroativamente aquelas pessoas que deixaram de receber as informações passadas pelo programa". No mérito, requer que o acórdão seja cassado.

Processo relacionado: Rcl 18.905

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?