Venda de remédios em supermercados é vetada por Dilma

Foi publicado hoje (18/05) no "Diário Oficial da União" o veto da presidente Dilma Rousseff para a venda de medicamentos em supermercados, armazéns, empórios, lojas de conveniência e similares. Medida Provisória (MP) liberava a venda de medicamentos que não exigem prescrição médica para uso.



No texto encaminhado ao Congresso sobre as razões do veto, a presidente afirmou que a liberação "dificultaria o controle sobre a comercialização" dos medicamentos, salientando ainda que "a proposta poderia estimular a automedicação e o uso indiscriminado, o que seria prejudicial à saúde pública." Os ministérios da Saúde e da Justiça opinaram a favor do veto.



Medida Provisória – A MP aprovada pelo Congresso referia-se a concessão de isenção fiscal de PIS/Pasep e Cofins para produtos destinados a portadores de deficiência física, e constava em um item a liberação da venda dos medicamentos em locais como supermercados e conveniências. O item que tratava da liberação dos remédios indicava que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deveria listar quais produtos seriam comercializáveis sem prescrição médica.



A medida também tratava sobre rotulagem das embalagens de papel destinado à impressão de livros e periódicos e isenção de impostos para materiais esportivos sem similar nacional. A oposição reclamou da quantidade de assuntos diferentes tratados na medida que ficou conhecida como MP "guarda chuva". A presidente sancionou a Medida vetando apenas o item sobre remédios.

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?