Receita estuda mudanças nos fundos de investimento

Está na Secretaria da Receita Federal o estudo de técnicos do Ministério da Fazenda sobre mudanças na indústria de fundos de investimentos. A proposta concebida pelos economistas é de tornar mais punitiva a tributação dos títulos de renda fixa atrelados à taxa Selic (papéis do Tesouro Nacional, CDBs, entre outros), num incentivo à busca de remuneração pré-fixada ou com base em índices de preços O Fisco, que recebeu as sugestões em novembro, ainda avalia a viabilidade. Somente depois disso é que o governo tomará a decisão política de levá-las adiante.

Hoje, os títulos de renda fixa têm tributação decrescente do Imposto de Renda (IR) conforme o tempo de permanência, com alíquotas entre 22,5% e 15% sobre o rendimento. Essa foi uma maneira de incentivar o alongamento dos prazos das aplicações. Agora, o governo quer desestimular a indexação à taxa básica de juros que, segundo indicou ata do Comitê de Política Monetária (Copom), caminha para um dígito este ano.

O estoque de aplicações em fundos e cadernetas de poupança supera R$ 2 trilhões. São recursos em aplicações de curto, ou curtíssimo, prazo e que poderiam ser mais longas, contribuindo com os financiamentos de mais longo prazo para projetos de infraestrutura, que vão demandar cerca de R$ 1,3 trilhão nos próximos quatro anos.

Os estudos para avançar na desindexação dos investimentos financeiros atrelados ao DI (juros médios das operações interbancárias) e da caderneta de poupança foram retomados pela Fazenda no início do ano passado. As sugestões submetidas ao Fisco pressupõem um sistema de indução por incentivos e punições, e não uma forma compulsória de mudança da remuneração dos fundos.

No caso das cadernetas de poupança, a avaliação técnica é que será preciso enviar ao Congresso ainda no primeiro semestre deste ano uma proposta para mudar a remuneração. Atualmente, a caderneta é corrigida pela variação da Taxa Referencial mais 6,7% ao ano e tem isenção do IR. Com a possibilidade de a taxa Selic cair para um dígito, a mudança se torna urgente.

Em 2009, quando a Selic também começou a cair e a poupança funcionaria como piso para os juros básicos, o governo não quis enfrentar o desgaste político de mudar as regras de remuneração. Na ocasião, optou-se por um mecanismo provisório - cobrar IR para depósitos acima de R$ 50 mil a partir de uma Selic inferior a 10,5% ao ano. Como os juros voltaram a subir, o assunto foi engavetado.


Autor: Valor Econômico

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Tributário

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?