Estudante que cursou ensino médio em escola particular não pode acessar o sistema de cotas

A 5ª Turma do TRF da 1ª Região confirmou em decisão unânime sentença de primeiro grau que declarou legal o indeferimento de matrícula pelo sistema de cotas de um aluno que concluiu o ensino médio por meio do Programa de Educação de Jovens e Adultos em instituição de ensino privado, com bolsa integral. Segundo compreendimento, a frequência a supletivo seriado com três anos de duração para conclusão do ensino médio em escola privada, mesmo com bolsa integral, não atende à previsão legal e regulamentar da política de cotas para acesso ao ensino superior.

Na apelação, o requerente sustenta que a frequência a curso supletivo seriado, modalidade Educação de Jovens e Adultos, em escola particular, com bolsa integral, o autoriza a participar do sistema de cotas, "pois não o diferencia em relação aos egressos de escolas públicas". Alega também o autor que, nesse tipo de questão, "há de ser observada a origem do candidato e sua condição de hipossuficiência, objetivo principal da política de cotas no ensino superior".

A Universidade Federal da Bahia, instituição de ensino que rejeitou a matrícula do aluno pelo sistema de cotas, contestou os argumentos do estudante. "A conclusão do ensino médio em exame supletivo ministrado por escola privada não atende às exigências previstas na Resolução nº 1/2004 para habilitação à matrícula pela política de cotas, conforme foi reconhecido pela sentença", destacou.

Para o relator no TRF1, juiz federal convocado Evaldo de Oliveira Fernandes, a sentença não merece reparos. "A frequência à Educação de Jovens e Adultos gratuita em prestigiada escola particular de ensinos fundamental e médio da capital baiana não preenche os requisitos para o deferimento da matrícula pretendida", disse.

O magistrado ainda explicou que a legislação veda o ingresso ao ensino superior pelo sistema de cotas aos "estudantes que tenham, em algum momento, cursado em escolas particulares parte do ensino médio. No caso em análise, o autor admite ter cursado o ensino médio em escola cadastrada como particular, razão pela qual não tem direito ao ingresso no ensino superior pelo sistema de cotas", ponderou.

Fonte: Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Deixe seu comentário

Dispomos de
correspondentes em todos
os Estados do Brasil, o que
nos permite uma
atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes
próprias estrategicamente
localizadas para atender
demandas em todo o País.
Dessa forma, conseguimos
manter a excelência de nosso
trabalho com dinamismo e
articulação processual.

Para manter nossos clientes sempre em primeiro lugar
e suprir nossas demandas com qualidade precisamos de um

escritório do tamanho do Brasil