Complementação de aposentadoria é negada a empregado que continuou na ativa

Negada complementação de aposentadoria, pelo INSS, a empregado da Petrobras que continuou na ativa. 8ª turma do TST entendeu que a legislação vigente à época estipulava como condição para recebimento da aposentadoria o término da relação de emprego.

De acordo com os autos, o empregado foi admitido em 1981 e completou os requisitos para se aposentar em 2009, mas continuou trabalhando para a empresa. Na 5ª vara do Trabalho de Aracaju/SE ele ajuizou ação para tentar receber da Petros - Fundação Petrobras de Seguridade Social a complementação da aposentadoria recebida do INSS, argumentando que o regulamento da Petros exigia, para concessão da complementação, apenas a condição de que o participante estivesse aposentado pelo órgão previdenciário.

O juízo de 1º grau entendeu que o trabalhador teria direito à complementação da aposentadoria, tendo em vista que o regulamento da Petros, que vigia quando de sua contratação, assim o permitia. A Petros recorreu ao TRT da 20ª região, que reformou a sentença sob entendimento de que a manutenção do vínculo e do salário afastaria o direito à complementação, nos termos do artigo 202 da CF/88 e da LC 108/01.

O aposentado interpôs recurso de revista contra a decisão do TRT, sustentando que deveriam ser aplicadas as regras sobre complementação de aposentadoria vigentes à época de sua contratação. Ele voltou a argumentar que o regulamento da Petros exigia, para a concessão do benefício, apenas a condição de que o participante estivesse aposentado pela Previdência.

Para o TST, em decisão unânime, a ausência de regulamentação no plano de benefícios da empresa, no sentido de ser exigível o rompimento do vínculo para viabilizar o recebimento da aposentadoria, não favorece o empregado.

Segundo o relator do recurso, ministro Márcio Eurico Vitral Amaro, é fato incontroverso que tanto a lei 6.950/81 quanto o artigo 3º, inciso I, da LC 108/01 – ambas vigentes no momento da admissão do empregado –, estipulavam como condição de recebimento da aposentadoria o término da relação de emprego. Para o magistrado, a decisão do TRT foi proferida de acordo com o entendimento pacificado no TST.

O escritório Caldeira, Lôbo e Ottoni Advogados Associados representou a empresa no caso.

Processo relacionado: RR 498-21.2011.5.20.0005


Autor: Site Migalhas
Data: 21/06/2013 - Hora: 15:00:06

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Previdenciário

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?