REVISÃO DA VIDA TODA

REVISÃO DA VIDA TODA

Surge para os segurados aposentados do INSS uma nova oportunidade para revisão de seus benefícios. A chamada Revisão da Vida Toda pode ser vantajosa para os aposentados que tenham vertidos maiores contribuições para o INSS antes de julho de 1994.

Em dezembro de 2019, o Superior Tribunal de Justiça decidiu que a revisão é devida, tendo em vista que deve ser aplicada a regra mais vantajosa aos segurados. Segundo a tese revisional, a regra de transição prevista pelo art. 3º da Lei nº 9.879/1999, que reformou a Previdência Social, prejudica os segurados que tiveram contribuições de valor mais elevado antes de julho de 1994, pois as desconsidera para o cálculo do valor mensal do benefício.

Assim, o STJ definiu que é aplicável a regra definitiva, prevista pelo art. 29, I e II da Lei nº 8.213/1991, por ser mais vantajosa para o segurado do que a regra de transição criada na reforma de 1999, vez que prevê o cômputo de todas as contribuições vertidas para o cálculo do benefício, possibilitando o aumento de seu valor.

Segundo dispôs o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, o segurado tem o direito de receber o benefício mais vantajoso, devendo ser utilizado o critério de cálculo que proporcione a este a maior renda possível, com base no seu histórico de contribuições, sendo indevido o simples descarte das contribuições vertidas antes de 1994, caso seu cômputo seja vantajoso para o segurado e possibilite aumento do valor de seu benefício.

Vale destacar que a tese foi jugada no STJ pelo rito dos recursos repetitivos e, portanto, deverá ser observada por todos os juízes e tribunais, conforme previsão do art. 927, III do Código de Processo Civil.

Contudo, para verificar se a revisão é de fato vantajosa para o segurado, é necessária a realização de cálculo criterioso, com base em documentação que comprove o valor das contribuições efetivamente vertidas ao INSS, pois o banco de dados da Previdência Social muitas vezes apresenta informações incompletas com relação aos salários-de-contribuição, sobretudo aqueles anteriores a julho de 1994.

Por fim, destaca-se que benefícios concedidos após a última reforma da previdência não poderão ser objeto da Revisão da Vida Toda, pois a Emenda Constitucional nº 103/2019 alterou as regras de cálculo anteriormente vigentes.

Qual o seu problema jurídico? Converse com a gente

Andressa Sauzem dos Santos

Andressa Sauzem dos Santos

andressa.santos@garrastazu.com.br

Advogada integrante da Divisão de Direito Previdenciário e Direito Militar.

Bacharel em Ciência Jurídicas pela Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA.

Pós-graduada em Direito Previdenciário pela Rede LFG.

Pós-graduanda em Benefícios e Prática Previdenciária pela Verbo Jurídico.

Ver perfil completo

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Previdenciário

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?