Empresário é condenado a ressarcir despesas do INSS

Brasília - Ação ajuizada pela Advocacia-Geral da União (AGU) obteve a condenação de um empresário que causou acidente de trânsito em que um empregado de funerária morreu, para ressarcir em R$ 527 mil o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O valor corresponde ao custo da autarquia com o pagamento de pensão por morte aos familiares da vítima. O acidente ocorreu na madrugada de domingo, 28 de agosto de 211, no km 100 da BR-101, em Parnamirim. De acordo com informações prestadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), após deixar um bar com outras duas pessoas, em alta velocidade, o empresário perdeu o controle do Corolla, que capotou e colidiu com o veículo – uma Montana - de uma funerária. O motorista do utilitário morreu no local.

O empresário foi autuado pela PRF por dirigir sem habilitação e sob efeito de bebida alcoólica. O laudo de exame necroscópico, o auto da prisão em flagrante, o boletim de ocorrência e o inquérito policial foram anexados ao processo para comprovar a responsabilidade do empresário no acidente que ocasionou a morte do funcionário. Com o objetivo de reaver os valores do benefício previdenciário que já foram pagos aos dependentes do segurado falecido e os que estão por vencer, a AGU sustentou a culpa exclusiva do empresário pelo acidente e, consequentemente, a concessão do benefício previdenciário pelo INSS.

Os procuradores que atuaram no caso afirmaram que, no momento do acidente, não chovia, a visibilidade era boa, as condições de conservação da estrada eram excelentes, sendo que a vítima conduzia seu veículo regularmente pela via. O outro motorista, segundo eles, dirigia em estado de embriaguez a mais de 180 km/h.

O Núcleo de Ações Prioritárias da Procuradoria Federal no estado do Rio Grande do Norte (PF/RN) instaurou Procedimento de Instrução Prévia para análise do ocorrido e verificação da conduta do empresário no acidente. Diante da comprovação de que o trabalhador foi vítima fatal do acidente, pois, entre outros pontos, "o condutor não cumpriu seu dever legal de obediência às normas do Código de Trânsito Brasileiro", a ação teve como objetivo a reparação, de forma regressiva, pelo prejuízo sofrido aos cofres públicos.

A 1ª Vara Federal de Natal acolheu as justificativas da AGU e julgou procedente o pedido de indenização, condenando o responsável pelo acidente a ressarcir os valores despendidos pelo INSS com o pagamento das prestações previdenciárias. De acordo com a sentença, "embora o réu não detivesse a qualidade de empregador da vítima, é fato que o acidente sofrido pelo segurado, e que lhe tirou a vida, deu-se quando este estava no exercício do labor, daí ter sido caracterizado como acidente de trabalho, gerando para a autarquia previdenciária o dever de pagar aos herdeiros do segurado as prestações legais decorrentes de seu falecimento".

O empresário recorreu da sentença, mas o Tribunal Regional Federal da 5ª Região manteve a decisão judicial.   Segundo a Procurador federal/RN, a expectativa total de ressarcimento é de R$ 527.146,92.

Para o procurador federal Murillo Cesar de Mello Brandão Filho, um dos responsáveis pela atuação, "a ação regressiva de acidente de trânsito serve tanto para reparação do erário previdenciário como para a prevenção dos acidentes com a proteção da integridade física e a vida de um número imponderável de pessoas, sendo esta a mais relevante". Com a Ação Regressiva de Acidente de Trânsito, acrescenta o procurador, "pretende-se tanto o ressarcimento das despesas correspondentes, assim como colaborar, a partir do ajuizamento de ações semelhantes, com as políticas públicas de prevenção de acidentes de trânsito a partir do caráter punitivo-pedagógico que elas podem representar".

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Previdenciário

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.