Empregada é condenada a pagar multa por má fé e fraude

Empregada doméstica teve que pagar multa a sua ex-patroa após reclamar na justiça por verbas que já havia recebido. A decisão foi da 4ª Vara de Santo André (SP).

A empregada que entrou com ação trabalhista pedindo vínculo de emprego como enfermeira e verbas rescisórias. De acordo com os autos, a rá apresentou um atestado médico para provar que não poderia ter sido mandada embora porque estava doente. Entretanto, atestado estava grosseiramente rasurado: a data do atestado no cabeçalho do documento foi alterada, mas no rodapé não.

Contudo, foi contatado que as atividades exercida pela empregada eram de trabalhos domésticos e que as verbas rescisórias já tinham sido pagas.

O advogado da dona-de-casa, apresentou reconvenção e incidente de falsidade, sendo o pedido aceito pela juíza Eliane Aparecida da Silva Pedroso. Entendeu que como a empregada "silenciou diante da impugnação de argumentos contrários de falsidade do documento apresentado", ficou claro que concordava que o documento não era verdadeiro.

A trabalhadora foi condenada a pagar para a ex-patroa 1% do valor da condenação por litigância de má-fé, totalizando R$ 123 e o dobro do que recebeu das verbas rescisórias, totalizando R$ 1.675,00, de acordo com o Código Civil.

 

Por William Figueiredo

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito do Trabalho Pessoa Física

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.