Homem consegue "licença-maternidade" após morte de esposa

Um funcionário da Polícia Federal de Brasília conseguiu, na Justiça, um período de recesso igual ao previsto na licença-maternidade - 120 dias - após a morte de sua esposa devido a problemas durante o parto. Ainda cabe recurso da decisão.



A lei prevê que o homem teria apenas cinco dias de folga pela licença-paternidade convencional, mas seu advogado pediu uma extensão desse tempo ao alegar que, com a morte da esposa, o servidor administrativo da PF precisaria de um período maior para assegurar os devidos cuidados ao recém-nascido.



A decisão favorável ao homem foi concedida pela juíza Inavi Silva da Luz, da 6ª Vara da Justiça Federal do DF. Ela também levou em consideração a "dor decorrente da perda" para justificar seu parecer.



Na defesa contra o pedido de "licença-maternidade" ao homem, a Polícia Federal alegou que não há mecanismo legal que possibilite tal mudança na licença-paternidade. Até a tarde desta segunda-feira, a PF ainda não havia sido encontrada para dizer se iria recorrer da decisão ou não.



Antes de pedir o aumento de sua licença-paternidade, o homem havia tentado uma licença-adoção (90 dias), mas não teve sucesso.


Autor: ClicBrasilia
Data: 15/02/2012 - Hora: 14:37:07

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito de Família e Sucessões

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?