Homem consegue "licença-maternidade" após morte de esposa

Um funcionário da Polícia Federal de Brasília conseguiu, na Justiça, um período de recesso igual ao previsto na licença-maternidade - 120 dias - após a morte de sua esposa devido a problemas durante o parto. Ainda cabe recurso da decisão.



A lei prevê que o homem teria apenas cinco dias de folga pela licença-paternidade convencional, mas seu advogado pediu uma extensão desse tempo ao alegar que, com a morte da esposa, o servidor administrativo da PF precisaria de um período maior para assegurar os devidos cuidados ao recém-nascido.



A decisão favorável ao homem foi concedida pela juíza Inavi Silva da Luz, da 6ª Vara da Justiça Federal do DF. Ela também levou em consideração a "dor decorrente da perda" para justificar seu parecer.



Na defesa contra o pedido de "licença-maternidade" ao homem, a Polícia Federal alegou que não há mecanismo legal que possibilite tal mudança na licença-paternidade. Até a tarde desta segunda-feira, a PF ainda não havia sido encontrada para dizer se iria recorrer da decisão ou não.



Antes de pedir o aumento de sua licença-paternidade, o homem havia tentado uma licença-adoção (90 dias), mas não teve sucesso.


Autor: ClicBrasilia
Data: 15/02/2012 - Hora: 14:37:07

Deixe seu comentário

Dispomos de
correspondentes em todos
os Estados do Brasil, o que
nos permite uma
atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes
próprias estrategicamente
localizadas para atender
demandas em todo o País.
Dessa forma, conseguimos
manter a excelência de nosso
trabalho com dinamismo e
articulação processual.

Para manter nossos clientes sempre em primeiro lugar
e suprir nossas demandas com qualidade precisamos de um

escritório do tamanho do Brasil