Homem deve pagar pensão alimentícia a ex-cônjuge

Por unanimidade, a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso não acolheu recurso interposto por um homem contra decisão do Juízo de Primeiro Grau, que fixou em 10% sobre os rendimentos líquidos o valor da pensão alimentícia a ser paga à ex-cônjuge. A referida câmara firmou entendimento que a pensão alimentícia deve ser fixada pelo juiz sempre que houver prova da incapacidade da alimentada para garantir seu sustento com o fruto do seu trabalho.



No caso específico, os desembargadores que compõem a câmara concordaram que foi respeitado o critério legal para a fixação do valor, que deve considerar a possibilidade econômica do requerido e a necessidade do requerente.



Consta dos autos que o agravante e a agravada foram casados durante 17 anos, tendo se separado judicialmente em março de 2009. Um ano depois, a ora agravada propôs ação de alimentos com o objetivo de obter auxílio, pleiteando a fixação de pensão alimentícia na quantia de 10% sobre o salário do ex-marido, extensivos a férias, 13º salário e verbas rescisórias.



A ora requerida declarou nos autos que durante o período de casamento dedicou-se integralmente aos afazeres domésticos, pois era impedida pelo marido de trabalhar e até de se qualificar profissionalmente. Ela também juntou nos autos laudos médicos que demonstram estar acometida de nódulo na mama esquerda, dor lombar crônica, cifose, lordose lombar e hemorróidas, e que está impossibilitada de trabalhar, reforçando a dependência econômica do agravante.



Argumentou o ora recorrente, sem êxito, que a decisão de Primeira Instância não teria levado em consideração sua situação econômica, pois já contribui com 30% do seu salário, a título de pensão alimentícia, para os dois filhos que teve com a recorrida. Alegou ainda que na época da dissolução da união, ocorrida em março de 2009, a ex-cônjuge teria renunciado expressamente aos alimentos, e que não ficou comprovado nos autos a dependência financeira da recorrida, bem como a incapacidade de trabalho em virtude da doença que ela alega ser portadora.



Sustentou a relatora do agravo, desembargadora Clarice Claudino da Silva, que não ficou comprovado nos autos a alegação do agravante, de que a agravada teria renunciado ao alimentos na data da separação. Além disso, a relatora constatou, ao analisar a planilha de gastos juntada pelo agravante, que ele possui outra fonte de renda, além do salário de servidor público. "Ademais, a fixação de pensão no valor estipulado pelo Juízo da instância de piso está em consonância com o princípio da razoabilidade", salientou.



Acompanharam o voto da desembargadora Clarice Claudino da Silva os


Autor: Correio Forense
Data: 10/08/2012 - Hora: 13:34:29

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito de Família e Sucessões

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?