Petrobras indenizará empregado que trabalhou durante a licença médica

Os desembargadores da 4ª Câmara do TRT da 12ª Região condenaram a Petrobras a indenizar em R$ 5 mil um empregado que comprovou ter trabalhado, mais de uma vez, durante períodos de afastamento previdenciário e de licença-médica.

Em 2012, logo após ter se submetido à uma cirurgia - em licença saúde – durante o período de recuperação, recebeu ordens do gerente para se apresentar na empresa, em dia e hora determinado. Lá chegando, compareceu e foi obrigado a trabalhar todo o dia, conforme testemunhas.

Como se não bastasse, no ano seguinte, após novo procedimento cirúrgico o mesmo ato se repetiu. Porém, desta vez, uma testemunha confirmou que por ordem do gerente levou um notebook até a residência do trabalhador para que o mesmo enviasse uma série de e-mails, encaminhasse documentos e prestasse orientações de caráter profissional.

O caso foi indeferido em primeiro grau por ausência de provas consistentes. Em recurso ao TRT/SC, o colegiado interpretou e concluiu que o empregado foi pressionado a trabalhar, acarretando danos à integridade física e moral do trabalhador, presumindo-se o dano moral.

Além da indenização, a Petrobras foi condenada a pagar a diferença entre o valor que o empregado havia recebido como auxílio-doença nos períodos de afastamento e seu salário mensal.

Processo 0000813-32.2017.5.12.0047

FONTE: Assessoria de Imprensa do TRT-12.

Deixe seu comentário

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.