MPF defende que biografias sejam publicadas sem autorização prévia de personagem







O Ministério Público Federal (MPF) enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo o fim da necessidade de autorização prévia do biografado ou de familiares, no caso de pessoas já mortas, para a publicação de obras biográficas — sejam elas livros ou filmes. Essa regra, prevista no Código Civil, foi contestada em ação direta de inconstitucionalidade proposta pela Associação Nacional dos Editores de Livros. A opinião do Ministério Público será considerada pelos ministros da Corte no julgamento do processo, que ainda não tem data marcada para ocorrer.No parecer, a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, afirma que a exigência de autorização prévia, "ainda que motivada pelo propósito de proteção de direitos da personalidade, configura restrição legal manifestamente desproporcional aos direitos fundamentais à liberdade de expressão e ao acesso à informação, consagrados pela Constituição da República".

Deborah relatou que o dispositivo do Código Civil tem gerado "consequências deletérias sobre a esfera pública democrática e a cultura brasileira". Ela cita a proibição de publicação duas biografias: a do escritor Guimarães Rosa e a do cantor Roberto Carlos. "Tal sistemática viola não apenas o direito dos autores e editores das obras proibidas, como também o de toda a sociedade, que se vê privada do acesso à informação relevante e à cultura", escreveu a procuradora.

A representante do Ministério Público também afirma que a publicação apenas de biografias autorizadas impede o acesso da sociedade "às versões da história mais críticas em relação aos personagens biografados". Ela argumenta que, em uma democracia, o Estado não pode decidir previamente as obras às quais os cidadãos terão acesso. "A liberdade de expressão é intrinsecamente antipaternalista: não é legítimo que o Estado ou que qualquer outro poder se substitua aos próprios indivíduos para decidir o que eles podem ler, ouvir ou assistir", anotou.

Deborah lembrou que a Constituição Federal dá à vítima de eventuais abusos da liberdade de expressão o direito de ter danos morais e materiais reparados. Além do parecer do Ministério Público, chegaram ao STF ofícios do Senado e da Advocacia Geral da União. Ambos defenderam a constitucionalidade da regra, com base na proteção aos direitos individuais, também previstos na Constituição. A relatora da ação é a ministra Cármen Lúcia. Ela vai escrever um voto para, depois, submeter o julgamento dos colegas em plenário.

Autor: O Globo

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Empresarial

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?