Regra para reembolso no e-commerce deve sair em maio

O assunto foi debatido ontem, em Brasília, em reunião da Senacon/MJ com representantes das principais empresas do setor de comércio eletrônico


São Paulo - O processo de devolução das compras e o reembolso dos gastos aosconsumidores de produtos adquiridos na internet são algumas das propostas da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ) dentro da regulamentação da atividade do comércio eletrônico no País, que deve ocorrer até o próximo dia 15 de maio, como parte do Plano Nacional de Consumo e Cidadania, lançado pelo governo em 15 de março, no decreto 7.962/2013.

As empresas do setor de comércio eletrônico vão enviar sugestões até o início da próxima semana à Senacon/MJ sobre como regulamentar o estorno das compras, junto às operadoras de cartão de crédito, e também a chamada logística reversa, que é a retirada do produto após a desistência da compra por parte do consumidor. A intenção é dar prazos para estes procedimentos, segundo representantes do setor.

O assunto foi debatido ontem, em Brasília, em reunião da Senacon/MJ com representantes das principais empresas do setor de comércio eletrônico, da Secretaria de Assuntos Legislativos (Sal/MJ) e da Secretaria de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

"O decreto amplia as informações ao consumidor, estabelece um novo patamar de atendimento ao consumidor do comércio eletrônico e, seguramente, contribuirá para a prevenção e redução de conflitos de consumo", diz, em nota à imprensa, a secretária Nacional do Consumidor, Juliana Pereira.

Autor: Exame.com

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito Empresarial

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?