Indenização trabalhista deve ser incluída na partilha dos bens do casal, decide STJ

A indenização trabalhista recebida por um dos cônjuges durante a união faz parte do patrimônio comum do casal e deve ser incluída na partilha dos bens após a separação, de acordo com decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) divulgada na última quinta-feira (14).

O entendimento do tribunal tem como base o caso de uma ex-mulher que entrou com um recurso especial após o Tribunal de Justiça de Minas Gerais excluir da partilha as verbas trabalhistas recebidas pelo ex-marido.

O STJ viu uma "contradição" na decisão da justiça mineira. Para o Superior Tribunal, embora os rendimentos de cada um dos cônjuges devam pertencer a eles individualmente durante o casamento, esses recursos não podem ser desvinculados do dever de responsabilidade pelos encargos pela família em caso de separação.

Para a desembargadora Isabel Gallotti, a indenização trabalhista deve fazer parte do patrimônio comum do casal, pois, se ambos tivessem recebido os recursos durante a união, o dinheiro teria sido utilizado pelos dois para alcançar um objetivo comum, como sustentar a casa, por exemplo.

"Como essas parcelas não foram pagas na época própria, não foram utilizadas no sustento e manutenção do lar conjugal, circunstância que demonstra terem ambos os cônjuges suportado as dificuldades da injusta redução de renda, sendo certo, de outra parte, que esses recursos constituíram reserva pecuniária, espécie de patrimônio que, portanto, integra a comunhão e deve ser objeto da partilha decorrente da separação do casal", afirma Gallotti em sua decisão.

Deixe seu comentário

Confira nossa página especial sobre Direito de Família e Sucessões

Acesse aqui

Escritório
do tamanho
do Brasil

Dispomos de correspondentes em todos os Estados do Brasil, o que nos permite uma atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes próprias estrategicamente localizadas para atender demandas em todo o País.

Atenção Clientes da Garrastazu

Fomos informados que golpistas estão se apresentando como sócios ou advogados vinculados a Garrastazu Advogados, trazendo falsa informação aos nossos clientes acerca de alvarás que teriam sido emitidos em seus nomes decorrentes de êxitos em processos patrocinados pela equipe da Garrastazu. Os estelionatários prometem que haverá liberação imediata destes alvarás na conta bancária dos clientes, mas solicitam, para viabilizar o levantamento do alvará, depósitos a títulos de "custas" (inexistentes) em contas que são dos próprios golpistas.

Cuidado! Não agimos desta forma. Alertamos que qualquer pagamento à Garrastazu Advogados só pode ser efetuado mediante depósito em conta bancária da própria Garrastazu Advogados. Jamais em contas de terceiros, sejam pessoas físicas, sejam pessoas jurídicas.

Estamos sempre à disposição por meio dos contatos oficiais anunciados em nosso “site”, que são os únicos canais legítimos de contato de nossa equipe com o mercado.

Atendimento via Whatsapp

Tire suas dúvidas agora.

Respondemos em alguns minutos.

Podemos Ajudar?