Mulher indenizará ex-convivente por atribuição falsa de paternidade

A Sexta Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios condenou uma mulher a indenizar, por danos morais e materiais, seu ex-convivente, em razão de falsa atribuição da paternidade de sua filha.



Caso – Informações do TJ/DFT explanam que as partes foram conviventes em união estável por dois anos – a criança nasceu durante este período. Após o término da relação, exame de DNA comprovou que o homem não era pai da criança.



Por tal motivo, arguindo má-fé da ex-companheira, ele ingressou com ação pleiteando indenização por danos morais em razão da infidelidade e da atribuição falsa de paternidade. O homem também requereu o ressarcimento integral de todos os gastos efetuados durante a constituição da união estável.



Acórdão – O colegiado do TJ/DFT não acolheu o pedido de ressarcimento dos gastos efetuados durante a união estável, como aluguel, vestuário e outras despesas com a ex-convivente. A corte entendeu que tais gastos foram motivados por valores sentimentais.



A decisão de segundo grau, contudo, reconheceu o dever de ressarcimento de gastos com a criança (plano de saúde, mensalidades escolares, consultas pediátricas e compra de mobiliário infantil), visto que houve ato ilícito voluntário da ré, que atribuiu falsamente a paternidade ao autor.



A Sexta Turma do TJ/DFT também julgou procedente o pedido de indenização por danos morais em razão da falsa atribuição de paternidade – o colegiado entendeu que houve violação dos deveres de lealdade e respeito exigidos do casal numa relação de união estável e, também, ofensa e humilhação do homem diante de familiares, amigos e colegas de profissão.



Indenização – O TJ/DFT, desta forma, determinou que a mulher indenize o ex-convivente em R$ 8.872,62, referente aos gastos com a menor, e, ainda, R$ 10 mil por danos morais.


Autor: Fato Notório
Data: 17/08/2012 - Hora: 14:06:53

Deixe seu comentário

Dispomos de
correspondentes em todos
os Estados do Brasil, o que
nos permite uma
atuação nacional

A Garrastazu conta com 3 sedes
próprias estrategicamente
localizadas para atender
demandas em todo o País.
Dessa forma, conseguimos
manter a excelência de nosso
trabalho com dinamismo e
articulação processual.

Para manter nossos clientes sempre em primeiro lugar
e suprir nossas demandas com qualidade precisamos de um

escritório do tamanho do Brasil