Pais que rejeitaram filha recém-nascida por 3 vezes perdem o poder familiar

29/10/2013 1 minuto de leitura
Uma criança de dois anos, rejeitada pelos pais por três vezes, deverá ser adotada pela família substituta que já detém sua guarda. A decisão da 6ª Câmara de Direito Civil do TJ confirmou, por unanimidade, a sentença de comarca da Grande Florianópolis que destituiu o poder familiar do casal. Os pais entregaram a filha a terceiro, mediante procuração, logo após o nascimento.



Após denúncia ao Conselho Tutelar, os pais resolveram assumir a criança mas, com poucos dias de convivência, entregaram a menina para abrigamento, com o argumento de que não tinham condições de criá-la. O bebê foi encaminhado para uma família substituta inscrita no Cadastro Único de Interessados em Adoção (CUIDA). Após a sentença de destituição, os pais apelaram com o argumento de que a mãe sofria de depressão pós-parto; ressaltaram que nunca tiveram a intenção de entregar a filha para adoção à brasileira, tanto que a registraram regularmente ao sair da maternidade.



Para manter a destituição do poder familiar, o relator, desembargador Ronei Danielli, observou que não foi comprovada a depressão pós-parto. Destacou ainda diversas contradições nos depoimentos do casal, ora interessado em ficar com a criança, ora a elencar dificuldades de ordem logística e financeira para evitá-la. Segundo o relator, esses fatos provam que a menor fora rejeitada antes mesmo de seu nascimento, diante da gravidez inesperada e indesejada pelos pais.



"Por fim, tem-se a informação de que a criança encontra-se colocada em família substituta, regularmente inscrita no CUIDA, que requereu sua adoção e aguarda o deferimento de sua guarda provisória. Devolver a menina aos pais biológicos, nessa altura (aos dois anos de idade), pode representar um prejuízo irreparável, caso haja novo arrependimento dos apelantes, visto que a cada ano que passa aumenta a dificuldade de adoção e de adaptação, notadamente de uma infante marcada por histórico de abandono", concluiu o desembargador.




Autor: TJSC
Data: 16/04/2012 - Hora: 15:00:34

Advocacia Online e Digital
Acessível de todo o Brasil, onde quer que você esteja.

Enviar consulta

A qualquer hora, em qualquer lugar: nossa equipe está pronta para atender você com excelência.

Continue lendo: artigos relacionados

Fique por dentro das nossas novidades.

Acompanhe nosso blog e nossas redes sociais.

1
Atendimento via Whatsapp
Olá, qual seu problema jurídico?
Garrastazu Advogados
Garrastazu Advogados
Respondemos em alguns minutos.
Atendimento via Whatsapp

Atenção Clientes da Garrastazu

Prezados clientes,

Devido às recentes enchentes que afetam significativamente a Região Metropolitana, informamos que o atendimento presencial na sede da Garrastazu Advogados em Porto Alegre estará suspenso.

Nossa prioridade é garantir a segurança de todos. Enquanto trabalhamos para normalizar a situação, nossa equipe continuará prestando assistência jurídica de forma remota. Todos os nossos serviços continuam operando com a mesma qualidade e eficiência através dos nossos canais digitais e telefônicos.

Para quaisquer dúvidas ou necessidades urgentes, por favor, não hesitem em contatar-nos.

Agradecemos pela compreensão e estamos à disposição para auxiliar no que for necessário durante este período.

Atenciosamente,

Sucesso!
Lorem ipsum dolor sit amet

Pensamos na sua privacidade

Usamos cookies para que sua experiência seja melhor. Ao continuar navegando você de acordo com os termos.

Aceito
Garrastazu

Aguarde

Estamos enviando sua solicitação...